As roupas são nossas eternas fantasias

O carnaval é uma explosão de cores e estilos e muitas pessoas não percebem que é exatamente por ser um período de livre expressão corporal  e poderem se fantasiar do jeito que querem, que torna a festa lúdica, feliz e única. Se as pessoas compreendessem que toda roupa é na verdade uma fantasia, na medida que ela cobre tudo aquilo que somos naturalmente então ao fim do carnaval se vestir não seria um martírio pois todos os dias é preciso se “fantasiar”.

Roupa é uma forma de se expressar. Em meu recente mochilão por parte da europa (escreverei mais sobre isso em breve) vi como o velho continente ainda é engessado pelas regras que eles mesmo criaram. Mas sempre há aqueles que se apropriam dessa linguagem e são mais felizes. Um deles é o vovô Günther Krabbenhoft!.  Ele tem mais de cerca de 70 anos, mora em Berlim e se veste de forma única.

follow-the-colours-vovo-estiloso-berlin-alemanha-Gunther-Krabbenhoft-01

“Eu acho que eu me visto normal.  Sempre me vesti e visto assim. Quando eu vou para o trabalho, quando eu vou fazer exercícios. Porque eu quero olhar para mim com alegria. Minhas roupas sempre são um reflexo do meu eu interior”,  Krabbenhoft disse em entrevista a um site.

Uma das coisas que adorei nele, e que me identifico muito, é que ele usa  looks clássicos mas geralmente com detalhes modernos. Além disso esse vovô alemão mostra que não é a idade que determina como devemos nos mostrar ao mundo.

 

As mulheres tem muitos exemplos de pessoas que dominam essa linguagem e se divertem. Que sirva de inspiração a muitos!

Anúncios

Bolsa D.I.Y

Sabe aquele dia que você só pensa qual bolsa/mochila vai usar e sem perceber pega no guarda-roupa peças da mesma paleta de cores? Eu hoje. 

Acordei na pilha pois precisava atravessar a cidade e só pensava em usar a mais nova integrante das minhas handmade DIY. 

Fiz esta bolsa com retalho de couro azul brilhante e lona de caminhão que restou de outro trabalho.

Gostei demais.  

Cuide das suas roupas 

Eu já escrevi aqui muitas vezes que manter o guarda-roupa, principalmente as peças curingas, é bom para você e seu bolso. Roupas boas e duráveis são praticamente a antítese do mundo da moda hoje calcada no transitório. 

Hoje a sexta começou fria e adotei o estilo navy. Claro sem abrir mão do conforto das peças em algodão. 



Achei esse suéter em algodão há pouco tempo mas já quero que ele dure muito. Foi comprado num brechó e o dono anterior certamente não o usou muito, ou então foi bem cuidadoso mesmo. Para todas as peças de crochê ou tricô é preciso cuidado dobrado. Muita gente corta a etiqueta com instruções sobre como lavar e secar a roupa e esse é o primeiro dos erros. Lá estão informações valiosas para manter a peça apresentável por muito tempo. 


Se você perdeu ou também cortou essas etiquetas da sua roupa de lã ou linha aqui vão algumas dicas que tirei do blog circulo 

NA HORA DE LAVAR: Lave as peças manualmente (a lavagem na máquina com força mecânica pode deformar o modelo da peça) com água fria ou morna (até 40ºC), alguns acrílicos podem encolher e perder o brilho em contato com água quente.

A lavagem com sabão neutro é a melhor opção pois, o sabão em pó é agressivo demais para as fibras delicadas do tricô.

NA HORA DE SECAR:

É preciso ter um certo cuidado; não use prendedores, pois eles podem marcar, o correto é estendê-la em uma superfície horizontal.

Seque suas peças à sombra e/ou vento, pois a secadora e o sol danificam as fibras.

Para não deformar a roupa, o melhor é espremê-la com cuidado em vez de torcê-la após a lavagem.

COMO PASSAR:

Essas peças normalmente não precisam ser passadas, mas caso precisar, nunca pressione demais o ferro na peça nem use-o muito quente, pois a peça poderá esticar.

COMO GUARDAR: Guarde as peças sempre dobradas e não penduradas em cabides, assim não correrá risco da peça esticar e perder a forma.

Quando o frio passar, esqueça os cabides e os sacos plásticos, que criam fungos, prefira guardar as peças em capas de TNT.

Guardar a peça de tricô ou crochê dobrada é uma orientação que também vale para quem trabalha em lojas. Nunca pendure uma peça assim, pois o risco de a peça esticar existe. Claro que há exceções mas, caso não queira correr o risco, é melhor dobrar sempre!

Estilo e economia 

Uma amiga me disse que a mãe está super  deprimida por não poder comprar novas roupas devido à situação da economia.

Fiquei refletindo sobre isso. Em tempos de crise e orçamento curto o melhor a fazer é repensar o consumo. No caso de roupas mais ainda. Mesmo com a economia em alta acho caro demais comprar roupa como terapia ocupacional. 

Considero que evolui muito desde que passei a estudar mais o universo do guarda-roupa masculino. E principalmente adotei o brechó como fonte alimentadoras de peças interessantes e que combinam comigo. 

Hoje por exemplo não há nada de novo, exceto o encontro. A combinação de roupas que nunca fiz. Promover a “conversa” entre  peças que nunca se “viram” é uma boa maneira de começar a redescobrir o que há no seu closet, Rs. 

Jardineira tendência 

Quando muda a estação eu gosto de olhar as vitrines e coleções das lojas para ter ideias de looks.  Outro dia dei uma passadinha numa magazine pra ver o que estão preparando para o outono inverno masculino e me deparei com varias jardineiras. Como já postei aqui no blog as jardineiras estão com tudo.

  Achei muito legal mas quando fui olhar o preço…200 pilas.

Comprei a minha tão barata num brechó que fico com dor no coração, pra não dizer no bolso, de pagar esse valor em outra. Hoje resolvi usar a minha jardineira novamente. Eu acho tão divertido usa-la. Parece que volto um pouco a infância!.  Acho que é uma peça muito relacionada e uma das melhores épocas da nossas vidas.

Fotos Jojô


  

Xadrez Madras

Graças a essa minha incursão no estudo do dress code masculino descobri há tempos que xadrez não é somente xadrez. Há vários tipos! Como outro dia resgatei a história do xadrez Vicky. Breve reunirei todos os xadrezes em um post somente. Ainda tenho que experimentar os outros! rs.

Hoje resolvi usar o Xadrez Madras que surgiu na cidade de Chennai na Índia, no século XIX. Depois foi levado a Europa pelos ingleses mas só fazia parte de peças secundárias como saias, lenços e acessórios. A sua principal característica é ser feito sobre o algodão e em cores vibrantes distribuídas em linhas horizontais e verticais de diferentes espessuras. Hoje o xadrez madras é o destaque em muitas coleções. Eu acho que é um tipo de xadrez lindo para  usar no verão mas em camisas de manga comprida prefiro em dias menos quentes.

Eu poderia ter usado com o jeans azul indigo mas preferi o cinza para dar mais destaque a esse xadrez.

Fotos: Bruno Lisboa 
  

Agora que já sabem o que é o xadrez madras vejam alguns exemplos e identifiquem se há algo assim no seu closet.

Pregando botão 

Hoje amanheceu frio. Peguei meu casaco e vi que faltava um botão. Separei agulha e linha e preguei. Aprendi criança ainda a pregar botão. Mainha logo percebeu que eu não seria menino  dependente de mãos alheias para fazer muita coisa. Então toda vez que prego um botão, também lembro de mainha. 

Dizem que este ano teremos mais dias frios. Só serei que meu coração estará quente graças a mainha.