Roupa para festa 

Hoje cheguei no trabalho e uma amiga me perguntou se eu ia a alguma festa. Respondi que todo dia é uma festa se amanhecemos bem! Rs. Mas fiquei pensando sobre isso. Eu realmente não entendo porque as pessoas se arrumam para festas onde irão dançar pular e ficarem todos desarrumados logo em seguida e para o dia-a-dia andarem à toa. Em casamentos e formatura as pessoas “capricham” no visual. Tiram fotos. Fazem mil concessões e depois abandonam tudo em brechós! Rararara.

A verdade é que se você tem um estilo é óbvio que sua vida elegante não vai se resumir a festas. Você será a festa. É por isso que hoje, um dia cinza, frio e calmo, resolvi que era um dia também festivo. Axé. 

Maio 

Caiu a tarde e lembrei de um trecho do poema: 

“Eu nada te peço a ti, tarde de maio, senão que continues, no tempo e fora dele, irreversível…” Tarde de Maio – Carlos Drummond de Andrade.

Hoje peguei minha dobrável e precisei ir a três lugares no meu tempo, do meu jeito. 

Fotos Jocasta Luiza 

Quando estou na bike quem carrega a bolsa é ela. Rs 

Verniz de Classe 

Hoje presenciei uma cena que me fez pensar como a grosseria está cada vez mais no quotidiano. Não importam as joias caras e marcas, títulos ou até a ausência de qualquer dessas coisas para dizer que não liga para “etiquetas” quando se perde a principal “etiqueta” que todos deveriam se impor; faça aos outros o que deseja que te façam. Sua posição social, nada te dá o direito de humilhar os outros. Os arrogantes que destratam os outros são “sem educação, sem finesse, sem elegância”, e na minha opinião  fazem parte da classe mais baixa que há no mundo.

Pensando nisso caminhei depois de uma visita ao hospital e também refletindo sobre a fragilidade da vida.

Fotos; W. Odilon

Rasteiras da vida 

Quando era criança aprendi alguns passos da capoeira para me defender dos valentões. O AU ou Estrela era fundamental. É um dos movimentos exercitados para fugir de rasteiras por exemplo. As rasteiras chegam pela frente ou por trás mas sempre chegam.

Tenho pensando muito nas “rasteiras” que tenho passado nos últimos meses. Uma sequência de golpes. Mas não estou sozinho nessa. Muita gente está praticamente no chão. Às vezes é bom aproveitar esse momento e olhar para o céu. 

Com a capoeira aprendi também a reverter a queda num pulo e terminar em pé. Então é isso; cair e levantar para aprender a cair para se levantar mais rápido.

Fotos; W. Odilon 

Outra coisa útil é usar roupa que não restrinja tanto os movimentos. Por isso hoje usei essa calça saruel de algodão super confortável, fina e camiseta. Claro que não dá para abusar da flexibilidade pois logo aparece um rasgo rs. Hoje foi um dia quente e andei sem me preocupar com suor. 

A Cor do Ano

Você já parou para se perguntar quem decide a cor do ano quando ouve falar que ela foi escolhida? A de 2017, que foi divulgada em dezembro, é  Greenery, uma mistura de Verde Musgo com Amarelo. Quem escolheu o tom é a Pantone, uma empresa norte-americana  famosa pela “Escala de Cores Pantone” (“Pantone Matching System” ou PMS), sistema de cor utilizada nas indústrias gráficas, têxtil, tintas e plásticos.

Mas voltando ao Greenery a empresa justificou assim – “Verde é a cor da Esperança, é a nossa ligação com a Natureza, o verde regenera, refresca, revitaliza e renova. O Greenery exalta os primeiros dias da Primavera, onde o Verde da Natureza revive…”. 

Esperança é o que estamos precisando nesse mundo. O cenário não é nada animador mas hoje acordei esperançoso. Não vou sair por aí comprando peças greenery. Ganhei um blazer verde (By brechó) e resolvi usar. Além da cor faço minha parte pois não basta apenas esperar. Há sempre uma parte que depende da gente. 

Verde não é uma cor bicho de sete cabeças. Fica bem com branco, bege, azul marinho e muitas outras! Aqui algumas dicas para você usar aquela peça verde que tá encostada no closet. 

Verão Chegou 

  
Hoje começa oficialmente o verão brasileiro. É verdade que esse final de primavera foi atípico. Peguei 15 graus em SP e BH também esfriou. Mas não podemos nos enganar pela  brisa fria. O calor vem com tudo. É hora de investir em alfaiataria leve com tecidos finos e se possível 100%.

Hoje fiz isso. Camisa de puro algodão. Calça de alfaiataria fina e mocassim. Para completar óculos escuros pois no horário de verão temos mais horas de luz. Tudo (exceto os óculos) adquirido em brechós logo após a blackfriday. Aliás adoro essa data. O povo corre para comprar e depois os brechós são abastecidos por coisas boas, bacanas e baratas que combinam com meu bolso e estilo (a peça mais cara custou R$50,  então façam as contas). Vamos aproveitar o verão!

Livre das coisas 

Estava refletindo sobre o trecho de um livro que ando lendo; “Quanto mais dependentes de coisas mais pobres somos”. De fato. Conheço tanta gente que tem tanta coisa mas só anda insatisfeita. Hoje apenas peguei minha camisa xadrez vicky e meu velho jeans (ambos de brechó) e saí. Foi tudo que precisei. Ademais a felicidade das coisas não são coisas. Final de semana sexy para todos. 

Fotos do querido Aluízio Figueiredo.